O mito do e-commerce

Faz bastante tempo que reflito sobre o mito do e-commerce. Tento buscar soluções viáveis de tornar um pequeno, ou novo e-commerce competitivo. Nestas reflexões, percebi que existem vários mitos circundando o mercado do e-commerce. Percebi também que esses mitos acabam prejudicando os novos empreendedores que acabam entrando em um mercado pensando em um cenário e, por falta de pesquisa, acabam tendo prejuízos.

Cenário:

Creio que ainda podemos dizer que o mercado digital é um novo mercado. Embora tenha amadurecido bastante, ainda tem muita gente que o conhece pouco.  Há também uma exploração do mercado por vários entusiastas. A mídia acaba explorando bastante esta pauta pois é um mercado promissor que desperta interesse.

É comum vermos matérias mostrando o crescimento absurdo das compras pela internet. Os índices são fantásticos e se fala muito da migração das verbas de mídia para o on-line e do crescimento deste mercado. Um conjunto de informações que fazem qualquer entusiasta se jogar no mercado do e-commerce.

Sim, é tudo real, o mercado está crescendo e está gerando ótimas oportunidades de novos negócios. Porém, como todo mercado, não é mamão com açúcar. Existem dificuldades e desafios bem grandes que não são mostrados nas reportagens sobre o assunto.

Por isso resolvi escrever alguns mitos que vejo e devem ser avaliados pelo empreendedor antes de lançar o e-commerce. O objetivo é alertar que mesmo sendo um mercado promissor, o plano de negócios é fundamental e não devemos abrir mão de uma conversa com um especialista para nos orientar neste negócio.

E-commerce é barato | Mito 1

Lenda. Criar um e-commerce não é nada barato.

A plataforma

Primeiro você precisa contratar uma boa plataforma de e-commerce, e isto requer investimento. Uma boa plataforma não vai custar barato, muito menos ser gratuita.

E não adianta usar uma plataforma que não é boa. Se o layout não for legal, as pessoas vão desconfiar e não vão comprar.

Se a estrutura da loja não for bem otimizada e não oferecer todos os recursos que promovem a conversão, você vai vender pouco. A qualidade e os recursos dos sites de e-commerce são fundamentais para promover vendas.

O grande problema do e-commerce é o abandono de carrinho. As boas plataformas já oferecem recursos que reduzem essa perda. E se quisermos ganhar dinheiro não podemos abrir mão desses recursos.

O conteúdo

Na internet o conteúdo é rei. Seu e-commerce só vai vender se, além de bons produtos e bons preços, você tiver boas fotos deles. E para ter boas fotos de produtos é preciso fazê-las de forma profissional.

No e-commerce, o único recurso que você tem para convencer seu cliente a comprar são as fotos. Se elas estiverem ruins, o cliente não leva. Não dá para tirar fotos com sua máquina digital e publicar. É preciso tratá-las, tirar as sombras, valorizar o produto. E isto não é barato, pois exige profissionalismo e tempo de execução.

Você também vai precisar escrever textos descrevendo seus produtos. Esses textos precisam ser detalhados, caso contrário, o cliente vai ter dúvidas e não vai comprar.

Fotos e conteúdo de qualidade são fundamentais para gerar vendas.

As formas de pagamento

As formas de pagamento são um dos pontos de perda de vendas. Você precisa oferecer muitas opções e simplificar ao máximo o processo, pois boa parte das desistências de compra são no cadastro e na forma de pagamento. E oferecer as melhores opções também tem custos significativos.

É só colocar na internet que vende | Mito 2

Lenda. Contratar a melhor plataforma, o melhor fotógrafo e o melhor redator não é suficiente. Depois de publicado o site, você vai precisar que as pessoas entrem no site. E isto custa dinheiro.

Você pode pensar: meu site vai aparecer no Google e daí vai vender. Seu site vai demorar para aparecer no Google. Durante os 6 primeiros meses você terá poucos acessos do orgânicos. E esses acessos são um pouco proporcional a quantidade de produtos que você tem cadastrado.

Aparecer bem posicionado no Google requer um bom investimento em SEO. Dependendo do nicho de atuação, se você não investir em um bom profissional, que saiba pensar de forma estratégica, você não vai fazer cócegas nos principais competidores.

Nos primeiros meses você vai depender muito de verba em anúncios para levar acessos ao site. As pessoas não vão adivinhar que você tem  um e-commerce, é preciso contar isso para elas. E nos primeiros meses você dificilmente terá ROI (retorno sobre o investimento).

É fácil administrar um e-commerce | Mito 3

Administrar um e-commerce é o mesmo que administrar uma loja física. Você terá uma loja só que ao invés de alugar uma sala, alugará uma plataforma web. Terás trabalho como uma loja, requer tempo e recursos como qualquer loja. Então, a menos que você não queira ganhar dinheiro, considere seu e-commerce como uma loja de verdade e encare-o como tal.

A internet vende muito | Mito 4

Vende e não vende. Existem muitos players fortes no mercado. A maioria dos grandes varejos está com suas lojas on-line. Eles são grandes e é difícil competir. No mercado digital ainda somam-se os grandes varejistas digitais, que são as marcas que não possuem lojas físicas. E todo mundo sabe o drama que é competir com esses caras, principalmente quando estamos começando um negócio.

Quem vende muito na internet são as grandes marcas, elas que fazem o dinheiro rodar em volume. E vendem pois o consumidor já conhece a marca, já confia. Uma marca desconhecida terá mais dificuldades em vender na web, em entrar no mercado. Precisará de um bom capital inicial para se vencer as barreiras iniciais.

Outro detalhe, a taxa de conversão do e-commerce é bem pequena. Uma pequena parcela das pessoas que entram no site executam a compra. Lojas novas, sem ajuda de especialistas, dificilmente terão uma taxa de conversão acima de 1%. Ou seja, do total das pessoas que entram no seu site, menos de 1% compram. Uma boa estratégia junto de um mix de marketing adequado (produto, preço) pode aumentar a taxa de conversão para uns 2%. Depois disso será preciso branding e muita análise de métricas para poder aumentar a taxa de conversão. Nas grandes lojas o índice aumenta um pouco, mas não tanto. A diferença é que grandes marcas são conhecidas e acabam tendo muito acesso, então mesmo uma baixa taxa de conversão faz o negócio ser sustentável por conta to volume.

Qualificar um site novo, de uma marca nova para que tenha mais de 3% de taxa de conversão é um árduo trabalho. Promover uma marca para que tenha uma alta taxa de conversão exige um grande investimento.

Tá, mas então não devo abrir um e-commerce? | Mito 5

Não, você pode abrir um e-commerce. Inclusive pode se tornar um ótimo negócio pois trata-se de um mercado promissor. Porém, para dar certo você tem que pensar no e-commerce como um negócio completo e não apenas como mais um canal de vendas, ou como uma renda extra.

Se você considerar o e-commerce apenas como uma renda extra, talvez seja melhor desistir, pois ele pode se transformar em uma despesa extra fácil, fácil.

E se você considerar a loja virtual apenas como mais uma loja, talvez seja melhor até você abrir outra filial física, pode ser mais barato e mais vantagem, pois você já conhece o negócio.

Eu diria que abrir a loja on-line seja como começar um novo negócio, mesmo que você já tenha lojas físicas no mesmo nicho de atuação. Embora sejam os mesmos produtos, é uma dinâmica completamente diferente, em todos os aspectos. Muitas vezes o público que compra on-line será diferente do seu público da loja física. Portanto é preciso ter consciência disso.

Então, mesmo sendo uma loja virtual é altamente recomendado que você tenha um plano de negócios ou um planejamento estratégico. Calcular o capital necessário, a taxa de retorno e o ponto de equilíbrio é fundamental para dar sustentabilidade ao negócio.

Conhecendo os mitos você poderá abrir seu e-commerce e tem grandes chances de viver feliz para sempre com sua loja virtual.  Boa sorte!

Um comentário sobre “O mito do e-commerce

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *